Você já ouviu falar em produtos análogos? São produtos com custo de produção mais barata e que imitam as texturas, aromas e sabores dos originais. São os chamados “tipo”. Eles estão espalhados nas gôndolas dos mais diversos supermercados, mas, em muitos casos, sem os devidos alertas aos consumidores.

Não raro vemos nas prateleiras manteiga zero lactose, proteína tipo carne, tipo cheddar ou tipo lanche. Preços mais em conta e a possibilidade de adquirir um produto aparentemente mais saudável faz com que os consumidores se sintam atraídos por esse tipo de mercadoria. Mas o que eles não sabem é que, muitas vezes, estão levando gato por lebre. Por isso, é cada vez mais importante estar atento às informações contidas no rótulo, em especial a composição e a tabela nutricional e não apenas à validade e data de fabricação.

Os alimentos análogos, ou “Fake”, para usarmos uma expressão mais conectada com a atualidade, são ultraprocessados produzidos à base de gordura vegetal hidrogenada, amidos, corantes e aromas artificiais e, além de oferecerem riscos à saúde, prejudicam também à economia, sobretudo da indústria de laticínios e esse será o tema da próxima edição do Live CRMV-BA.

“É importante ressaltar, porém, que nem todos os queijos ‘tipo’ são fakes. Consideramos como produtos de imitação apenas aqueles que são produzidos a base de gordura e outros derivados que não o leite de origem animal. A matéria prima do queijo é o leite e esse é um produto de origem animal. Então, se o queijo não é feito com leite animal, ele não é queijo”, explica a médica-veterinária Rebecca Fonseca, membro da Comissão de Alimentos do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV-BA).

Com a participação da médica-veterinária Rebecca Fonseca e do presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios e Produtos Derivados do Leite do Estado da Bahia (Sindileite), Paulo Cintra, a live Queijo Tipo Fake: Riscos à saúde e os impactos econômicos será a primeira de uma série, terá como destaque os impactos na produção (cadeia leiteira) e na economia e vai auxiliar o consumidor a identificar um queijo de verdade para não consumir um produto “tipo fake”.

Iniciativa da Comissão de Alimentos do CRMV-BA a live será realizada no Instagram do CRMV-BA (@crmvba) no dia 17 de dezembro, às 19h.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *