Evento sobre Infectologia Veterinária destaca importância da Saúde Única

E isso reforça a centralidade da atuação dos médicos-veterinários na saúde das pessoas [...]

Profissionais e estudantes de Medicina Veterinária participaram da abertura do I Simpósio de Infectologia Veterinária da Bahia (Sinvet), no auditório do Pavilhão de Aulas Glauber Rocha (Paf III) da Universidade Federal da Bahia, em Ondina, entre os dias 12 a 14 de setembro de 2019.

A idealizadora do Simpósio, a professora-doutora Nadia Rossi, explicou que “nunca tivemos um evento na área de infectologia veterinária antes. Essa proposta é voltada não só para profissionais, uma forma de atualização, mas também a contribuição do aluno para que ele realmente se inteire e se atualize das principais doenças infecciosas  em animais de companhia”.

Falando de fungos, hemoparasitas e  protozoários que atacam animais de companhia, os palestrantes  compartilharam suas experiências de clínica ou pesquisa no evento organizado pela Sociedade de Medicina Veterinária da Bahia (SMVBA) e pelo Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV/BA).

Precoce

Doutor pela Universidade Federal do Paraná, o médico-veterinário Marconi Farias, professor da PUC- Paraná,  entre outros tópicos, externou  preocupação com a resistência de antimicrobianos no tratamento de algumas enfermidades veterinárias.

Para ele, o evento é uma  “iniciativa excelente (…), no intuito de chamar atenção para doenças que têm grande importância em termos de saúde coletiva. São doenças que podem acometer animais e seres humanos em grande proporções e geralmente são negligenciadas. Elas devem ser diagnosticadas de maneira precoce e acompanhadas e controladas pensando sempre em Saúde Única”, acredita.

Falando a um auditório repleto,  o médico-veterinário Aroldo Borges, membro da Comissão Estadual de Saúde Pública (CESP), do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV/BA),  alertou sobre a importância de comunicar às pessoas que no caso da esporotricose, o gato não é um vilão e sim uma vítima do fungo.   

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ele explica ainda que  “a infectologia veterinária é importante para a Saúde Pública, porque mais de 70% das doenças das doenças infecciosas que atingem as pessoas tem origem em animais. A visão da Saúde Única, a saúde humana integrada à saúde animal e a saúde ambiental é para que a gente consiga de fato encontrar soluções de maneira mais rápida para os problemas que a gente enfrenta, tanto problemas que afligem  a saúde humana, quanto problemas que afligem  os animais”.

Clínica Fechada

Membro da Comissão Estadual de Saúde Pública (CESP), do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado da Bahia (CRMV/BA), o médico-veterinário André Ungar, após ouvir o colega explanar sobre esporotricose,  disse que estava no evento para “tomar conhecimento do grau que está essa doença, a evolução dela está muito grande. Eu acho que todos os colegas devem se preocupar em notificar, em orientar a população, como nós fazemos no bairro onde trabalhamos, falando dos riscos da doença, da necessidade de tratar os animais  precocemente”. Ele disse que deixa a clínica fechada, mas não perde uma oportunidade de buscar conhecimento.

Durante o evento, doenças como Erliquiose, babesiose canina, leishmaniose, anemia infecciosa, toxoplasmose, peritonite infecciosa felina, as retroviroses felinas, leptospirose e microplasmose tiverem palestras (na quinta e sexta-feira) e minicursos (anunciados para o sábado).

Para conferir fotos do evento clique na pagina oficial do CRMV/BA.

Enquetes

O que você achou do novo boletim do CRMV-BA?

  • Gostei. Está mais dinâmico e atrativo (43%, 17 Votos)
  • Gostei, mas ainda pode melhorar (33%, 13 Votos)
  • Não gostei (15%, 6 Votos)
  • Por mim tanto faz. Não leio mesmo (10%, 4 Votos)

Total de Participantes:: 40

Carregando ... Carregando ...

INFORMATIVO

Cadastre-se para receber notícias do CRMV-BA.

Send this to friend